foi adicionado com sucesso ao seu carrinho.

MEU AMIGO TRANSFORMISTA

Publicado por | Entrevistas | 7 Comentários

Clique aqui para participar do projeto Gotas no Oceano

“Se dissermos que não temos pecado,
enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós.”

1 João 1:8

Como lidar com as diferenças?

Como enfrentar as crenças que nos foram ensinadas e que, com o passar do tempo, incorporaram-se em nós como verdades?

Como enfrentar as limitações impostas pela educação religiosa?

Como as crenças que temos a respeito da vida moldam e direcionam a nossa existência e consequentemente influenciam nossa felicidade?

 

São crenças castradoras, impeditivas, que produzem consequências daninhas ou desastrosas. Estas são percebidas somente aos poucos e exigem tempo mais ou menos dilatado em terapias variadas, a fim de serem desarraigadas ou revisitadas e modificadas.

É preciso dizer que as crenças às quais me refiro, embora patrocinadas pela religiosidade medieval, não são aquelas que integram o catecismo religioso; refiro-me àquelas que impedem o ser de alcançar a felicidade. Acreditar que não se é merecedor ou que se precisa de méritos para ser feliz; considerar as coisas mais simples da vida como pecado, e considerar o pecado sempre como algo proibido, indesejável, que afasta o ser humano do Pai, o Criador. Crenças assim é que fomentam a baixa autoestima, o sentimento de culpa, a autopunição e outros tipos de comportamentos nocivos, que afastam cada vez mais a pessoa da felicidade.

Quero conversar contigo sobre isso, apresentar uma outra visão, um ponto de vista apenas, mas que talvez sirva para acrescentar algo a tuas reflexões e tua caminhada em busca de satisfação e realização.

PECADO

O pecado, conceito introduzido na cultura ocidental, herdado de milênios de aculturação religiosa, sempre foi apresentado como coisa nojenta, malvista ou indesejável e oposta ao projeto de santificação e evolução. Essa ideia, modificada aqui e ali com algum requinte, ou às vezes toscamente, foi patrocinadora de perseguições, injustiças, cobranças e atitudes castradoras e punitivas, constituindo-se em obstáculo para que o ser atingisse a plenitude, assumisse seu papel na vida ou mesmo conquistasse a vitória pessoal. Por trás dessa ideia e derivando dela, jaz o sentimento de culpa, enraizado no âmago do ser em decorrência das mais diversas situações.

O tempo mostrou que, sempre que se dava importância ao pecado e às faltas, as proibições e condenações assumiram um papel mais importante do que a felicidade em si, solapando qualquer possibilidade de realização pessoal e espiritual.

FELICIDADE

Quanto mais patrulhamento moral e comportamental, mais pessoas infelizes existiam, mais a fé era assassinada e, na mesma direção, mais aleijões espirituais e emocionais proliferavam, impedindo as pessoas de contribuírem para uma sociedade mais justa e trabalharem por um mundo melhor.

Um outro aspecto da cobrança relacionada ao pecado, é que ela evidencia uma carência ou necessidade, e até um desejo reprimido do julgador. Desse modo, pode-se compreender a inveja como provável sintoma de necessidades não satisfeitas, não atingidas, ligadas a ânsia de ter, prevalecendo sobre o desejo de ser.

A crítica que fazemos, em geral, evidencia em nós uma área na qual desejamos mudar, mas que a reconhecemos quando da sua manifestação através do outro.

SEXO

Homem e mulher são apenas aspectos exteriores necessários ao mundo da forma, e nem sempre a fisiologia representa o ser psicológico aprisionado nos limites do corpo. O sexo, patrimônio sagrado do espírito, é expressão da polaridade íntima e aguarda os séculos e milênios para ser compreendido. A sexualidade será, dessa forma, uma questão comportamental profundamente ligada às matrizes psicológicas construídas ao longo das vidas sucessivas.

Não há como padronizar o comportamento como expressão do ser imortal, uma vez que a variedade tão grande de criaturas e de experiências não nos permite uma visão acertada, ampla e profunda da situação íntima de cada um. Tampouco é possível estabelecer regras rígidas para comportamentos, ideias e pontos de vista, classificando-os entre o que é e o que não é normal ou aceitável. Não há como dizer que este tipo energético ou aquela identidade afetiva e sexual seja a mais correta ou a única forma de expressão do ser.

Em cada vivencia um aprendizado; em cada atitude, uma experiência. Bem e mal deixam de ter a conotação moralista e legalista para ceder lugar ao comportamento ético dos seres que se emancipam mais e mais na escola da vida. Muitas vezes, indivíduos veem-se reféns de medos, angustias e pesares; outros, em plena fase de aprimoramento íntimo, libertam-se de tabus e preconceitos, ampliam conceitos e, assim, elaboram o clima mental e emocional em que viverão de acordo com a maneira como transitaram na última existência física.

APRENDIZADO

As prisões invisíveis – porém, reais – que cerceiam a pretendida liberdade são apenas a projeção do lado obscuro, que emerge do inconsciente profundo. Tal projeção determina o limite de ação de cada um. Eis por que o ambiente espiritual, físico ou social é o reflexo vivo do mundo íntimo.

Pense, reflita, analise e escreva as coisas que mais te incomodam no outro e procure pela fonte dentro de você!

Seja feliz.

gotas-blog

kardec-bandeira-brasil

Espiritismo e política podem andar juntos?

Publicado por | Sem categoria | 8 Comentários

 “E quem governa seja como quem serve”. Jesus – Lucas, 22:26

 

Responda se for capaz:

  • Deve o espírita esforçar-se para cumprir os seus deveres de cidadão e exercer os seus direitos políticos?
  • A Doutrina Espírita conscientiza a criatura humana, levando-a a tornar-se um “homem de bem” no sentido global?
  • Haverá alguma relação entre Espiritismo e Política?
  • Que têm feito as Instituições Espíritas para favorecer o processo de conscientização sócio política dos seus frequentadores?
  • Qual o posicionamento do espírita frente a questões como violência, menores abandonados, educação, desemprego, racismo, discriminação social. O que podemos fazer em nosso âmbito para combater esses problemas?

Vamos Conversar

A transformação íntima só se torna efetiva e verdadeira quando ela é irradiada para a coletividade em que estamos inseridos. O Espiritismo nos fala da realidade do espírito e do seu processo evolutivo, ensinando-nos que a felicidade é uma construção individual e coletiva. Ninguém conseguirá ser feliz com o seu derredor emitindo gritos de carências e lágrimas de dores. Ninguém será feliz sozinho ou rodeado de poucos Algumas pessoas, no meio espírita, reagem de maneira negativa e, às vezes, até assustadas quando se fala em política, demonstrando desinformação e preconceito. Existe até um tabu de que Política entra em confronto com o zelo doutrinário. Na realidade a Política é bem mais abrangente e está presente em tudo que o homem realiza. Todos nós somos políticos. Há mais de 2000 anos o filósofo grego Aristóteles escreveu que o homem é um “animal político” e não estava brincando.

Reflexões sobre espiritismo e politica

Haverá alguma relação entre Espiritismo e Política? Sobre o aspecto filosófico, o Espiritismo tem a ver e muito com a Política, já que esta deve ser a arte de administrar a sociedade de forma justa. Consequentemente, o espírita não pode declinar da sua cidadania e deve vivenciá-la de forma consciente e responsável. O Brasil sempre foi alvo de muitas esperanças. Falava-se em país do futuro, em berço da nova civilização e nos meios espíritas, em Coração do Mundo e Pátria do Evangelho. O grande problema é que os brasileiros nunca demonstraram grande empenho para alcançar concretamente esses títulos. Boa parte dos trabalhos de ciência política no Brasil traz uma característica marcante: a constatação de que a sociedade brasileira é dependente do Estado e que não tem apego a valores como democracia, liberdade e igualdade. Não tem tradição de participação, de reivindicar seus direitos. A sociedade é uma das maiores responsáveis pelos males que a atingem. Somos um País que não se conscientizou de que depende da sociedade colaborar na resolução de muitos problemas dos quais o Estado não consegue dar conta. O Brasil só vai poder dizer-se Pátria do Evangelho quando der os primeiros passos na construção de uma sociedade realmente democrática, justa e fraterna. Quando, enfim, os brasileiros olharem para a sociedade e perceberem que fazem parte dela. Se uma pessoa está sofrendo, em um determinado local, todos sofrem, pois os problemas dela acabam nos atingindo de uma maneira ou de outra, seja por meio da violência ou dos mecanismos econômicos mais complexos.

E vamos mais adiante

E o que tem a ver o Espiritismo com isso? O espírita tem em suas mãos instrumentos poderosos de participação (e de transformação) da sociedade: as federativas, os centros espíritas, as instituições específicas, os órgãos de comunicação. Podem, no mínimo, auxiliar na mudança de mentalidade de seus adeptos. Sabemos que Kardec recomendou aos centros que deixassem de lado as questões políticas. Mas essa afirmação significa que não devemos trazer para o centro espírita as campanhas e militâncias partidárias, pois o lugar para o seu exercício é no seio das agremiações e locais respectivos. Assim, jamais o Espiritismo, como Doutrina, e o Movimento Espírita, como prática, poderão dar guarida a um partido político em seu seio, por exemplo: Partido Social Espírita, Partido Espírita Cristão, etc. As questões políticas decorrem dos próprios princípios do Espiritismo. A partir do momento em que se fala em reforma moral, em mudança de visão do mundo, em desapego dos bens materiais, prática da caridade, etc. fala-se sobre política. Principalmente, quando se fala em transformação da sociedade, como aparece a todo o momento na Codificação (particularmente no capítulo final da Gênese), estamos falando de política.

Mais um passo

Em que consiste a missão dos Espíritos Encarnados? – Em instruir os homens, em lhes auxiliar o progresso; em lhes melhorar as instituições, por meios diretos e materiais. (Questão n º 573 de O Livro dos Espíritos). De se entender, então, que não pode o espírita alienar-se no seio da sociedade em que vive, com a desculpa de que Espiritismo e Política não têm nada que ver, pois é preciso lembrar que a vida material e a vida espiritual são dimensões contínuas da própria Vida. O homem tem que progredir, e isolado ele não tem condições disso, já que seu progresso depende dos bens que lhes são oferecidos pela família, pela escola, pela religião e demais agências sociais. Para o espírita, essa ação política deve ser sempre inspirada nos princípios expressos pelo aspecto filosófico do Espiritismo, que o levam a amar e, nesse caso, amar é desejar o bem; logo, a exteriorização política do Amor é a expressão do querer bem e do agir para o bem de todos. A ação política dos bons é um imperativo na hora atual. O Espiritismo apresenta conceitos claros e precisos para essa atuação. A nova geração marchará, pois, para a realização de todas as ideias humanitárias compatíveis com o grau de adiantamento a que houver chegado. Avançando para o mesmo alvo e realizando seus objetivos, o Espiritismo se encontrará com ela no mesmo terreno. Aos homens progressistas se deparará nas ideias espíritas poderosa alavanca e o Espiritismo achará, nos novos homens, espíritos inteiramente dispostos a acolhê-lo. (A Gênese).

Continuando nosso bate papo

O Espiritismo não cria a renovação social; a madureza da humanidade é que fará dessa renovação uma necessidade. Pelo seu poder moralizador, por suas tendências progressistas, pela amplitude de suas vistas, pelas generalidades das questões que abrange, o Espiritismo é mais apto do que qualquer outra doutrina a secundar o movimento de regeneração; por isso, é ele contemporâneo desse movimento. Surgiu na hora em que podia ser de utilidade, visto que também para ele os tempos são chegados. (A Gênese). O Espiritismo trabalha com a educação. Esta é a base da própria Doutrina, pois, para praticá-la, temos de nos educar. E a educação tem um conteúdo extremamente político, pois muda nossa forma de ver o mundo e de agir nele. Assim, é cada vez mais importante que os centros espíritas percebam a importância de discutir os assuntos da realidade concreta. Não estaremos fazendo política no aspecto partidário, mas sim auxiliando na conscientização dos espíritas sobre como entender a sociedade e agir nela de uma forma crítica e consciente. Com uma visão crítica baseada nos princípios espíritas. Qual o posicionamento do espírita frente a questões como violência, menores abandonados, educação, desemprego, racismo, discriminação social. O que podemos fazer em nosso âmbito para combater esses problemas? Não adianta querer ser espírita no plano espiritual. Podemos e devemos estudar a moral espírita em sua teoria. Mas não há como fugir: a sua aplicação prática será, quer queiramos ou não, na realidade concreta, enfrentando esses problemas do cotidiano. A polêmica ideia de que o Brasil está destinado a cumprir o papel de Coração do Mundo e Pátria do Evangelho sempre foi acompanhada de reflexões muito entusiastas. Se ele realmente tem uma missão histórica a realizar, então é preciso começar a pensar o Brasil de um ponto de vista mais realista. Só assim poderemos cumpri-la. O Evangelho apresenta a mais elevada fórmula de vida político-administrativa aos povos da terra. Os ideais democráticos do mundo não derivam senão do próprio ensinamento de Jesus, nesse particular, acima da compreensão vulgar das criaturas. A magna questão é encontrar o elemento humano disposto à execução do sublime princípio. Quase todos os homens se atiram à conquista dos postos de autoridade e evidência, mas geralmente se encontram excessivamente interessados com as suas próprias vantagens no imediatismo do mundo.

A força das coisas possibilita a mudança, mas não construirá uma sociedade mais justa, mais livre, mais feliz, sem que cada família, cada grupo, cada cidade, cada nação elabore seu projeto, organize sua ação para chegar a essa sociedade melhor.    Livro dos Espíritos – Questões 860 e 1019

Bônus extras para suas reflexões

“Para os espíritas, finalmente, o Cristianismo não é apático. Se, na realidade, o cristão ficasse apenas na fé, rezando e contemplando o mundo à grande distância, sem participar do trabalho de transformação do homem e da sociedade, jamais a palavra do Cristo teria a influência ponderável. O verdadeiro cristão, o que tem o Evangelho dentro de si, e não apenas o que repete versículos e sentenças, não pode cruzar os braços dentro de um mundo arruinado e poluído pelos vícios, pela imoralidade e pelo egoísmo. Alterar essa estrutura social que fomenta o egoísmo em todos os grupos sociais é providência urgente.”
— Deolindo Amorim. Trecho do livro O Espiritismo e os Problemas Humanos.

“O Espiritismo se liga a todos os campos das atividades humanas, não para entranhar-se neles, mas para iluminá-los com as luzes do Espírito. Servir o mundo através de Deus é a sua função e não servir a Deus através do mundo. Por tudo isso, devemos entender que são fundamentais o Espiritismo e a Política para a construção de Uma Nova Sociedade.”G
—Herculano Pires.  Trecho do livro O Centro Espirita.

“O chamado de uma nova ordem social está clamando no coração do mundo. E o mundo não pode deixar de atendê-lo, porque é um imperativo do progresso terreno, uma lei maior do que as leis transitórias dos homens, é a expressão da própria vontade de Deus.”
— Herculano Pires.  Trecho do livro O Reino.

“Para nós, a política é a ciência de criar o bem de todos e nesse princípio nos firmaremos.”
—Deputado Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

Sugestões

  • O espírita pode e deve estudar e refletir sobre os princípios político-filosófico-espíritas no Centro Espírita, pois eles estão contidos em O Livro dos Espíritos, Parte Terceira, Das Leis Morais.
  • Confrontar os fundamentos morais e objetivos do Espiritismo com os fundamentos morais e objetivos dos partidos políticos, verificando de forma coerente qual ou quais deve apoiar e até mesmo participar como membro atuante, se tiver vocação para tal, sabendo, no entanto, da responsabilidade que assume nesse campo, já que sua militância deve sempre estar voltada para o interesse do ser humano, em seus aspectos social e espiritual. Para isso, sua ação política deverá estar em harmonia com os valores éticos (morais) do Espiritismo que, em última análise, são fundamentalmente os mesmos do Cristianismo;
  • Participar de organizações e movimentos que propugnem pela Justiça, pelo Amor, pelo progresso intelectual, moral e físico das pessoas. Exemplos: clubes de serviços, sindicatos, associações de classes, diretórios acadêmicos, movimentos de respeito e defesa dos direitos humanos, etc.;
  • Fazer do voto um elevado testemunho de amor ao próximo; Considerando que a sociedade humana é dirigida por políticos que saem das agremiações partidárias e suas influências podem ajudar ou atrasar a evolução intelecto-moral da humanidade, o voto, realmente, é uma forma de exprimir o amor ao próximo e à coletividade; Deve, pois, analisar se a conduta do candidato político-partidário tem maior ou menor relação com os princípios morais e políticos (aspecto filosófico) do Espiritismo;
  • Participar conscientemente da ação política na sociedade, sem relegar o estudo e a reflexão do Espiritismo a plano secundário. Pelo contrário, o estudo e a reflexão dos temas espíritas deverão levá-lo a permanente participação, objetivando a aplicação concreta do Amor e da Justiça ao ser humano, seja individual ou coletivamente.

 

Amplie seus conhecimentos. Bibliografia sugerida:

  • Espiritismo e Política: contribuições para a Evolução do Ser e da Sociedade. Aylton Paiva. Editora FEB.
  • O Espiritismo e a Política para a Nova Sociedade. Aylton Paiva.
  • Espiritismo e Formação Política. Paulo R. Santos. Editora EME
  • Heróis da Paz: O que Ganhadores do Prêmio Nobel da Paz Têm a Nos Dizer. Irwin Abrams. Editora Gutenberg
  • Espiritismo: Política e Cidadania. Leda Marques Bighetti. Editora Batuira.
  • O Partido. Robson Pinheiro. Editora Casa dos Espíritos.
  • A Quadrilha. Robson Pinheiro. Editora Casa dos Espíritos.
  • Movimento Universitário Espirita. Artigo. Editora Alameda
  • Eu Queria Ser Bezerra de Menezes. Mauro Camargo. Editora Lachàtre
  • Esculpindo O Próprio Destino. André Luiz Ruiz. Editora IDE
  • Políticos No Além. Luiz Antônio Milecco. Editora Lachàtre
  • Rumos para Uma Nova Sociedade – O Espiritismo e as Ciências Sociais. Autores Diversos – São Paulo. Edições USE.
  • Estudos de Filosofia Social Espírita.  Ney Lobo – FEB
  • O Livro dos Espíritos. Allan Kardec.
  • O Evangelho Segundo o Espiritismo. Allan Kardec.
  • A Gênese. Allan Kardec.
  • Obras Póstumas. Allan Kardec.
  • O Reino.  J. H. Pires/Irmão Saulo.  São Paulo. Editora Edicel.
  • O Espiritismo e Os Problemas Humanos. D. Amorim & H. C.Miranda. São Paulo: Editora USE.
  • Os Grandes Líderes. Martin Luther King – Nova Cultural.
  • Como Não Ser Enganado nas Eleições.  Gilberto Dimenstein – Editora Ática.
  • Elementos da Engenharia Social. Décio Silva Barros. Editora do Escritor – SP.
  • A Inteligência Espiritual – Espiritualidade nas Organizações. Vitório César Mura de Arruda. Editora Ibrasa
  • A Longa Capa Negra. Rubens Saraceni. Editora Madras
  • JK – Caminhos do Brasil. Woyne Figner Sacchetin. Editora Lachàtre
  • Getúlio Vargas em dois mundos. Wanda A. Canutti. Editora EME.
  • Legião. Robson Pinheiro. Editora Casa dos Espíritos
  • Senhores da Escuridão. Robson Pinheiro. Editora Casa dos Espíritos
  • A Marca da Besta. Robson Pinheiro. Editora Casa dos Espíritos

Pense nisso

“Não há nada mais trágico neste mundo do que saber o que é certo e não fazê-lo. Não posso ficar no meio de todas essas maldades sem tomar uma atitude.”
— Martin Luther King. Trecho do livro Os Grandes Líderes.


Crédito: Texto original de Osman Neves Albuquerque, adaptado por Marcos Leão.
 http://www.espirito.org.br/portal/artigos/diversos/comportamento/espiritismo-e-politica.html

Como a união das pessoas pode causar impacto na sociedade

Publicado por | Sem categoria | Um Comentário

Vale a pena compartilhar boas iniciativas!

Me deparei com a notícia abaixo e não pude deixar de postar. Ela ilustra bem o mesmo principio que adotamos na campanha, Gotas no Oceano, e que está disponível através do site www.robsonpinheiro.com.br/gotas objetivando a construção de um mundo melhor.

Leia a matéria e veja na prática o poder transformador que vem da união de pequenos esforços para gerar grandes resultados!!

 

Em mutirão, moradores do RJ constroem com R$ 5.000 ponte orçada em R$ 270 mil

Reportagem de Maria Luiza de Melo
Fonte UOL – em 14/06/2016

14jun2016
A estimativa é de que a obra tenha custado R$ 5.000. A prefeitura da cidade havia orçado a ponte em R$ 270 mil

Após esperar por duas décadas que a Prefeitura de Barra Mansa (RJ) construísse uma ponte ligando os bairros de Nova Esperança e São Luiz, moradores da região se mobilizaram e conseguiram resolver o problema em um mês.

Em regime de mutirão, reuniram mais de cem pessoas para construir a ponte de 24 metros, com concreto e ferro, que ficou pronta no último dia 4. O grupo também ficou responsável por arrecadar todo o material usado na construção. A estimativa dos moradores é de que a obra tenha custado R$ 5.000. A prefeitura da cidade informou que havia orçado a ponte em R$ 270 mil.

A iniciativa partiu das donas de casa Juracy da Conceição e Manoelina dos Santos. Elas contam que só de um lado da ponte há posto de saúde para atendimento médico e retirada de remédios. E, sem a obra, era necessário dar uma volta de quase dois quilômetros para chegar de um bairro a outro.

“Eu moro neste bairro há 49 anos. Sempre tivemos que improvisar com pedaços de madeira para atravessar o riacho. O problema é que ficava muito frágil e perigoso”, lembra Manoelina, 72. “Quando a chuva vinha, destruía tudo, porque o nível da água subia muito. Não dava nem para visitar os amigos ou ir à igreja, que também fica do outro lado.”

O filho de Manoelina, Adalto José Soares, 52, foi um dos que ajudou na construção. “Quem tinha dinheiro ajudou com dinheiro. Quem não tinha ajudou com mão de obra. A gente brinca por aqui que foi a obra do cadinho”, brinca o comerciante. “Cadinho de um, cadinho de outro. Arregaçamos as mangas, porque se tivéssemos esperando pela prefeitura estaríamos sem a ponte até agora.”

Demorou um mês para que a ponte, de três pilares, ficasse completamente pronta porque o trabalho dos moradores acontecia apenas aos sábados e domingos. Ou seja, foram necessários na realidade oito dias de trabalho para que a ponte fosse construída.

“Fizemos a ponte com três pilares, com três metros de profundidade cada um. É toda de concreto e ferro, bem segura. Desde 2014, a prefeitura só nos dizia que não tinha como fazer a obra, porque não tinha verba, faltava dinheiro, o país estava em crise”, afirma Soares. “E nós conseguimos deixar tudo pronto em apenas um mês. Brincadeira, né?”


Para saber mais sobre a campanha Gotas no Oceano e como você também pode ajudar somando esforços, acesse www.robsonpinheiro.com.br/gotas e venha fazer a diferença!!

http://www.robsonpinheiro.com.br/gotas/

Mensagem de incentivo à sua caminhada

Publicado por | Entrevistas | 16 Comentários

envelope

Olá meus queridos,

Venho compartilhar brevemente com vocês uma mensagem de incentivo para suas vidas, uma mensagem simples, mas que tem o objetivo de tocar seu coração, de fazer você refletir sobre a fala de Jesus no evangelho de João: “Vós sois deuses”

Eu estava respondendo os comentários dos alunos do Autodefesa 2.0 e já na primeira aula, me deparei com o comentário da Ana Jussara de Pirassununga-SP que reproduzo abaixo:

“Sabe, quando estou estudando digo sempre que estou em meus momentos coruja…rs observo muito a vaca…rsrs ruminando (refletindo). Reflexões não tem faltado em minhas escritas e é muito bom poder conseguir encontrar o caminho para o meu EU, pois é o que você Robson tem me dado no Colegiado e nesta primeira aula. Não tenho o dom da oratória, mas sou uma livre pensadora e procuro colocar em prática minhas reflexões, pois sempre brinco dizendo que Deus me colocou no mundo para pensar e agir. Mudanças são muito necessárias e urgentíssimas. Sou uma eterna aprendiz e feliz por aqui poder estar. Agradecida a Deus e a você Robson, por ter esta oportunidade. Um forte abraço, pois não sou de dar abraços leves…rsrs”.

O depoimento da Ana Jussara trouxe vários aspectos interessantes, mas o que me motivou a responder foi a parte onde ela fala não ter o dom da oratória. Então eu decidi falar sobre os mitos criados em torno da palavra DOM e o quanto eles nos impedem de alcançar uma vida plena e assumir o nosso verdadeiro papel.

O único dom que temos é o dom da vida… todas as demais habilidades são desenvolvidas no decorrer de nossas existências… Não existe recém-nascido (pelo menos até o momento) que tenha o dom da oratória, o dom da escrita, o dom da sabedoria, nem mesmo o dom da mediunidade nasce com a gente. Lembra de Kardec? Deus nos criou simples e ignorantes.

DOM é um grande mito… tudo isso que muitas vezes chamamos de DOM são, na verdade, habilidades que desenvolvemos quando decidimos que precisamos e/ou queremos desenvolver.

Por exemplo: Quando você decidiu se matricular neste curso, você INICIOU um movimento de desenvolvimento das suas habilidades psíquicas, emocionais e espirituais; e quando eu digo que você iniciou, significa que você não irá mudar em um passe de mágica, nós passamos por algumas fases:

Primeiro entramos em um momento de CONSCIENTIZAÇÃO onde você recebe as informações, depois entramos no momento de REFLEXÃO onde você começa a processar as informações, após vem o momento de DECISÃO onde criamos um objetivo e desenvolvemos uma vontade firme para realizá-lo; aí finalmente vem o momento da AÇÃO, é nela que concretizamos a fala de Jesus: “Vós sois deuses, podeis fazer aquilo que eu faço e MUITO MAIS.”!!!

É na ação que efetivamente fazemos algo concreto e transformador em nós e consequentemente em todo o universo, é bem aí que a mágica acontece. Falo mágica, pois geralmente conhecemos as pessoas que acreditamos serem possuidoras de algum DOM nesta fase, a fase em que elas estão em AÇÃO. Não as conhecemos nas fases anteriores, não conhecemos o esforço feito para chegar na AÇÃO e é daí que o mito é construído.

Todas as pessoas que consideramos serem possuidoras de algum dom passaram por este processo de CONSCIENTIZAÇÃO, REFLEXÃO, DECISÃO e AÇÃO e todo este processo leva tempo, envolve coragem para começar e muitas vezes significa sair da zona de conforto.

Quando nos imbuímos do objetivo DE MUDAR NOSSAS VIDAS e recriar a história deste planeta começando INTERNAMENTE, para que as bases da reconstrução sejam e se mantenham sólidas, firmes, fortes e carregadas de propósito consciente da nova humanidade, neste momento nos tornamos deuses.

Todos nós somos deuses capazes de RECONSTRUIR o universo interno criando uma nova realidade.

Forte abraço a você e a todos os demais companheiros de caminhada aqui presentes.

Que Deus ilumine nossos caminhos, trazendo paz, esperança, renovação e prosperidade em nossos propósitos!!

Viva Deus, Viva Jesus!!!

Forte abraço,
Robson Pinheiro

Mensagem de Pai João de Aruanda para o trabalhador do cristo

Publicado por | Entrevistas | 60 Comentários

Para ouvir a mensagem basta clicar no botão de Play no vídeo acima, caso prefira ler a mensagem está abaixo:

Viva Deus, viva Jesus, viva negro velho pai João de Aruanda na terra com a graça de Deus.

Diante da dificuldade que o mundo todo está vivendo, dos ataques de terrorismo, das perseguições religiosas, diante dos desafios que meus irmãos vivem com a economia tão oscilante, negro velho tem uma visão um pouco diferenciada de muitos de meus filhos. É que muitas vezes vocês não pensam que estas questões todas que ocorrem no panorama do mundo físico, social, econômico e político, que tudo isto é reflexo do que passa DENTRO de meus filhos, tudo isso é um reflexo dos traumas, das sombras, das luzes mal compreendidas, das culpas e medos, daquilo que se convencionou chamar de derrotas ou de fracasso, dificuldades ou provação. Estas questões internas acabam, meus filhos, de certa forma avolumando e se transformam nos conflitos externos, nas dificuldades que meus filhos vivem no seu dia a dia.

Para negro velho falar de Autodefesa Psíquica e energética sobretudo é reconstruir a vida diante destes desafios. É um tema que negro velho aprecia muito e pessoalmente estarei muito próximo de vocês durante o desenvolver das aulas, pois negro considera que estes temas são de vital importância, principalmente para aqueles que querem se envolver com a mediunidade, com desenvolvimento da espiritualidade, para aqueles que querem de alguma maneira contribuir no colegiado de guardiões através dos desdobramentos, da projeção astral, da projeção da consciência, para estes principalmente é de vital importância. Porque se não aprendermos a devassar o mundo interior, meus filhos, não há como se projetar para o mundo invisível dos espíritos e das energias.

Não há como um agente do bem pretender ajudar externamente quando ele não fez esta viagem interna que propõe o curso de Autodefesa Psíquica e Energética. Com estes elementos, inclusive os que negro velho tem passado para vocês ao longo dos anos e que serão abordados no curso, os meus filhos poderão fazer uma limpeza intensiva neste mundo interior, fazer um mergulho para compreender a dimensão desta sombra e disto que meus filhos chamam de luz. Poderão questionar inclusive, sobre o lado bom das pessoas que se convencionou a chamar de mal, mas também sobre o lado mal das pessoas que se dizem do bem.

Autodefesa Psíquica para negro velho, é a base para meus filhos entenderem a sua relação com as energias, como manipular estas energias, como transformar inclusive as energias contrárias em energias benfazejas, como começar se ajudando, para de posse deste conhecimento, possa alçar voos para fora do corpo. Então negro velho vê esta oportunidade como uma forma de desenvolvimento pessoal, espiritual e até mediúnico.

Como, pois, o médium pode querer lidar com a energia dos espíritos que eles não veem habitualmente, se não sabem lidar com as energias próprias, com as energias vibradas da natureza? Como identificar o obsessor no outro se não identifica as energias que estão no seu entorno? Como o médium pretende desdobrar e ir para outros planos da vida auxiliar os benfeitores ou os guardiões, se ele não faz esta viagem de conhecer estas energias internas e aprender a transmutá-las? pois é isto que se pretende quando se fala de Autodefesa Psíquica e Energética. Como enfrentar o obsessor desdobrado, o mago negro, os cientistas das sombras se o médium não consegue sequer lidar com as energias próprias? Se ainda não consegue manipular as energias do meio onde ele vive?

Então falar de autodefesa psíquica e energética é fazer uma imersão completa no mundo das energias, no psiquismo da pessoa que pretende ser um agente do bem e de Jesus e começar dentro de si mesmo a manipular estas energias e ver os resultados, porque não é só aprender na teoria não meus filhos, sobretudo é ver como isto funciona na prática, no seu dia a dia.

Isto é o que se pretende fazer durante o treinamento de Autodefesa Psíquica: um treinamento intensivo para as pessoas trabalharem com os benfeitores, nesta era em que se precisa de ajuda, nós espíritos precisamos de pessoas capacitadas e que estejam se capacitando, para serem nossos instrumentos desdobrados, ou mesmo dentro do corpo para promover as transformações que são necessárias para que este mundo seja um mundo cada vez melhor.

Mas trabalhar com pessoas que não ousam fazer este mergulho, que estejam ainda, de certa forma, enlameadas com os achismos, com conceitos estranhos adquiridos aqui e acolá e que ao longo do tempo vão se transformando em lixo mental porque é inútil para promover a realização pessoal. Como usar estas pessoas, meus filhos, como instrumentos do bem, se elas se recusam a estudar e fazer a transformação real na sua vida? e não só real, mas experimentar esta transformação. Para negro velho isto que vocês chamam de curso é um treinamento intensivo para servir as forças superiores do bem e da luz que estão trabalhando em benefício da humanidade.

Negro velho ouviu estes dias alguns comentários de filhos falando que queriam ajudar lá na França em Paris, outros queriam ajudar lá na África no meio daqueles que passam fome ou que estão nas guerras quase invencíveis dos gênios humanos falidos. Outros que queriam ajudar junto as represas que se arrebentaram espalhando morte dor e destruição na natureza, mas estas pessoas, embora de boa vontade com o coração condoído, com o coração profundamente tocado não sabem sequer se ajudar, meus filhos.

Como iremos utilizar muita gente de boa vontade, mas de boa vontade e ainda sim sem conhecimento de como ajudar? Corremos um risco sério de colocar um exército de pessoas de boa vontade sem capacitação para enfrentar os desafios. E aí os desafios que em outras instâncias seriam viáveis de serem enfrentados, se transformam em armas contra elas próprias. Porque as pessoas ainda estão pensando no mundo semelhante aquelas revistas que existiam nas bancas que chamavam de Bianca. O mundo que foi criado em cima de uma ideia romântica, tanto a realidade física quanto a espiritual. Mas a realidade porém é outra: nós estamos em uma era de transição e nesta era de transição precisamos de instrumentos que se capacitem e que estejam se capacitando. Saber o que fazer, saber como fazer e saber a quem fazer, isto é essencial neste momento de transição do planeta para um futuro melhor.

É lógico que podemos usar a boa vontade das pessoas, mas boa vontade sem conhecimento pode ser desastroso no momento essencial de transformação da humanidade. Eis que falar e participar desse movimento que vocês chamam de curso de Autodefesa é uma capacitação, é uma instrumentalização, é de certa forma, uma maneira de vocês aprenderem a lidar com essas energias, porque quando nós precisamos de vocês fora do corpo, nós não precisamos de pessoas mágicas com varinha de condão estralando dedo aqui e acolá não. Precisamos de pessoas reais que saibam enfrentar as próprias trevas, que saibam a dimensão da sua luz, saibam do que são capazes de fazer ou do que não são capazes, do bem que podem fazer e do mal que são capazes de realizar caso não sejam devidamente coordenados, porque muitas vezes as pessoas achando que boa vontade sem esta capacitação, sem este conhecimento, se comporta como um exército de leões liderados por um cordeiro, e ai meus filhos, se o líder muitas vezes não se capacita, diante das trevas exteriores, diante do volume de desafios no mundo astral inferior, como colocar estas pessoas sem capacitação para enfrentar estes desafios?

Negro velho vê esta empreitada da Autodefesa como uma forma de nós selecionarmos as pessoas que realmente estão investindo nelas como instrumentos que sejam mais sensíveis, que conheçam sua capacidade e que conheçam sobretudo, os instrumentos, as ferramentas internas que poderão ser úteis para nós quando estas pessoas estiverem desdobradas do lado de cá nos auxiliando.

Ou vocês pensam que para enfrentar este tipo de atitude insana que ocorreu agora na Europa, pode se colocar um grupo de religiosos orando e vibrando para enfrentar criminosos? Para enfrentar terroristas? De forma alguma meu filho, precisamos de soldados do cristo, soldados do bem e bem treinados, mas treinar com fantasias não resolve nada. Por isto este treinamento de Autodefesa é uma desconstrução das fantasias espirituais, religiosas, pessoais, para que a pessoa saiba com o que está lidando, para que a pessoa saiba com que armas espirituais ela está lidando, está trabalhando, para que ela saiba o potencial oculto, porque nós teimamos muitas vezes em mergulhar dentro de nós querendo fazer poeira, querendo correr, erguer creches, orfanatos, asilos, mas isto tudo é poeira se não mergulharmos dentro de nós.

Autodefesa então para negro velho é esta capacitação, este treinamento intensivo nesta hora em que nós precisamos da ajuda de meus filhos, mas principalmente daqueles que se capacitam como instrumentos das forças superiores do bem e da luz afim de auxiliar a humanidade. Não é mais a hora de fazer o bem sem olhar a quem, agora é saber o que fazer, saber como fazer e saber a quem fazer, porque cada um é responsável pelo bem que faz e pelo bom ou mal uso que farão daquele bem que a pessoa faz. Então precisa se conhecer antes de realizar e esta capacitação pra negro velho, representa um chamado, que inclusive negro velho quer deixar aqui uma sugestão:

Após terminar esta capacitação de Autodefesa, ser lançado um curso de mediunidade aprofundado e gratuito, mas um estudo conforme é feito na Unispíritus para capacitar os médiuns de lá, mas sem abrir ao público. O curso será aberto somente para os integrantes das duas turmas de Autodefesa Psíquica , a primeira realizada em Março de 2015 e esta que está sendo lançada agora.

Destes sairão os nossos Atalaias, destes sairão aqueles instrumentos que irão desdobrar e nos auxiliar do lado de cá. Então após o curso de Autodefesa, negro velho aconselha que se faça um curso de mediunidade aprofundado, para que as pessoas possam desconstruir estas ideias equivocadas se capacitando para serem agentes do cristo cósmico, agentes dos espíritos superiores do bem e da luz que militam em favor da evolução da humanidade.

Que Jesus abençoe,

Viva Deus!

Pai João de Aruanda – através da mediunidade de Robson Pinheiro em 16/11/2015

Para informações sobre o Curso de Autodefesa Psíquica e Energética clique aqui

O dinheiro, o movimento espírita e o igregismo espírita

Publicado por | Dúvida do internauta, Minicurso | 50 Comentários

Quero fazer uma abordagem aqui neste artigo e depois que você o ler totalmente, até o final, quero que faça uma reflexão com sinceridade.

Você conhece realmente a obra de Kardec? No Brasil, se faz realmente o Espiritismo como Kardec pretendia? Como lidar com o dinheiro e ao mesmo tempo ser fiel aos princípios do codificador?
E a grande pergunta final: porque o espiritismo não deu certo na Europa e caminha a passos lentos no resto do mundo?

Topa fazer uma análise comigo? Será que você tem coragem de mergulhar um pouco na história do espiritismo? Vamos lá!

Ao estudarmos as obras de Allan Kardec, notamos o quanto ele fez muito bem o seu papel de codificador e além de tudo, de divulgador da causa e da doutrina Espírita. Isto se pode chegar a claras conclusões após a leitura de a “Revista Espírita” de Alan Kardec, o livro “Viagens Espíritas” e o livro Obras Póstumas, estes quase desconhecidos do movimento espírita e dos pseudos-sábios e espiritualizados.

O Codificador elaborou uma revista mensal com textos muito bem escritos, e com uma linguagem clara e acessível, tanto quanto com qualidade impecável para a sua época. Nesta revista ele relatava suas experiências como divulgador e propagador das ideias espíritas, da doutrina em si e dava respostas os seus críticos, e o que muita gente não sabe, ele não media palavras para responder a pessoas levianas, e mal intencionados que o afrontavam acusando-o de diversas coisas, inclusive de viver com dinheiro da doutrina espírita.

Por muitos anos a Revista Espírita cresceu, se propagou e se transformou num meio de comunicação entre o Codificador e os diversos núcleos Espíritas que se iam formando na França e fora dela. Foi um sucesso tal que chegou mesmo a ter assinantes em outros países do mundo, o que denotava a capacidade de Kardec de elaborar bem as questões apresentadas, de sua competência na divulgação e defesa dos postulados espíritas, embora os obstáculos que ele enfrentava em sua época, de transporte e entrega da “Revista Espírita” a quem as assinava. E teve uma tal repercussão que o próprio Kardec teve a iniciativa de ele próprio sair vendendo a Revista Espírita por onde ele andava divulgando a Doutrina e fazia exposições ou palestras, além de vender os livros espíritas.

(Ele os vendia e não dava de graça). Inclusive chegou a defender a ideia de que os livros espíritas não deveriam ser vendidos mais baratos que os demais. Sim, leia a “Revista Espírita” e “Viagens Espíritas”. Kardec próprio fala disso nos livros acima citados. Quando viajava para divulgação, Kardec inclusive descobriu que podia encomendar retratos de si e vende-los para manter a obra e assim o fez, várias vezes, para arrecadar dinheiro para as viagens de divulgação e para a própria manutenção, inclusive vendendo o Livro dos Espiritos e mantendo-se com o dinheiro do mesmo. Embora isso os espíritas em geral, desconheçam ou não queriam ler.

Leia Mais